Carta de uma Desconhecida

Ano
1948
Titulo original
Letter from an Unknown Woman
Gênero
Drama, Romance
Diretor
Max Ophüls
País
Estados Unidos
Detalhes
86 minutos / p&b / som

Sinopse

Na Viena do século 19, a jovem e tímida Lisa se apaixona por Stefan, pianista famoso e mulherengo. Anos depois, já adulta, ela se entrega a ele. Logo em seguida, o músico parte em turnê sem saber que havia engravidado Lisa.

O que você achou deste filme?

Para comentar faça seu login

O que outros comentaram...

A elegância de Ophüls

nota 10
Muitos melodramas são feitos, mas poucos são realmente de qualidade. Este é um dos poucos. Um filme belíssimo que mostra a paixão (eu diria até fixação) de uma moça, Lisa Berndl (Joan Fontaine) por um jovem prodígio do piano, Stefan Brand (Louis Jourdan), que, por não acreditar muito no seu talento e nos elogios que recebe, prefere dedicar-se a uma vida boêmia e de conquistas femininas. Lisa é para ele mais uma, mas, para ela, ele é tudo, é o homem com que ela sonhou. O filme começa na Viena de cerca de 1900 com Brand, que já não tocava mais, voltando para casa com dois conhecidos, em mais uma noite de prazeres. Ficamos sabendo que Brand foi desafiado para um duelo. Quando chega em casa, o ex-pianista diz ao seu mordomo mudo que não pretende honrar o compromisso e pede-lhe que arrume suas malas, pois vai sair pela porta dos fundos. O mordomo lhe entrega uma carta que havia chegado à noite. Ao abrir a longa carta, surpreende-se com a frase inicial ("Quando você ler esta carta, eu já devo estar morta"). Este é um extraordinário começo que prende não apenas Brand à carta, mas nos prende ao filme. A carta foi escrita por uma mulher que, desde adolescente, foi apaixonada por Brand. Ela é lida em flash back, e ficamos sabendo da paixão dessa mulher, desde adolescente, pelo pianista. O filme é dirigido de forma extraordinariamente elegante por Ophüls, sem exageros de sentimentalismos, mas com muito sentimento. Louve-se a extraordinária fotografia em preto e branco, o roteiro impecável de Howard Koch baseado em Stefan Zweig e a trilha sonora extraordinária de Daniele Amfitheatrof, com adaptações de Liszt (Um sospiro), tema principal que cai como uma luva na atmosfera romântica do filme, Wagner, Mozart, Strauss. Filme imperdível.
Entrar